viagem no tempo – algumas considerações

Esses dias eu comecei a procurar artigos científicos esclarecedores sobre viagem no tempo. Confesso que a metade que eu li eu já esqueci, e não encarei isso como se fosse algo ruim. Acho que eu dei uma peneirada em tudo que encontrei, e guardei o que eu realmente achava interessante.

A minha intenção não é discutir sobre os fatos científicos que atestariam a veracidade da viagem no tempo ou a negariam. Não sou um especialista de física relativista ou quântica, então não entrarei nesse tipo de detalhe. Pretendo me focar na parte lógica da coisa, que é algo que me sinto capaz de discorrer sobre.

Bom, o problema mais clássico sobre a viagem no tempo é chamado o paradoxo do avô. Provavelmente muitos de nós já pensaram nesse problema de formas diferentes ou até mesmo igual, só não tinham nomeado a coisa. Mas vamos lá, o problema é o seguinte:

Imagine que você de alguma forma conseguiu voltar para o passado, usando uma máquina do tempo, super poderes, enfim, tanto faz. No passado, você encontra o seu avô, e o mata. Coisa feia, não? Releve, é apenas hipotético.

Para não deixar a coisa tão desagradável vamos fingir que você sem querer esmagou o seu avô com o seu robô gigante que você trouxe do futuro. Não parece mais tão ruim assim, ter um robô gigante é uma coisa deveras interessante. Mas ainda assim você matou o seu avô. O problema que você
matou o seu avô antes dele ir para o PVP com a sua avó e ter o seu pai. Então, nesta realidade, o seu pai não existe. Hora, se seu pai não existe, você não existiria; e você não existindo, você não poderia ter voltado para o passado para ter cometido tal maléfico crime.

Essa lógica, tomando algumas premissas que a maioria consideraria correta, já leva por água abaixo a realidade empregada no filme de volta para o futuro. Embora eu discordando da realidade do filme, não discordo que ele seja bom. Aliás, um dos meus favoritos dos últimos tempos. com isso, excluímos dois tipos de viagem no tempo:

Viagem para qualquer parte do passado, que a história pode ser alterada, mas tais alterações não produzem grandes mudanças visíveis no futuro.

- Viagem para qualquer parte do passado, que uma mínima mudança pode fazer total diferença no futuro.

Continuando minha análise sobre a viagem no tempo, existe outro argumento que a primeira vista desmoronaria qualquer esperança de um viajante que queira fazer uma reserva em uma máquina do tempo que ainda será construída. O argumento diz o seguinte: “Se a viagem no tempo existe, já teríamos viajantes do futuro avisando que ela é possível.”

De fato, ele é muito bom e só confirma a nossa exclusão anterior de dois tipos de viagem no tempo. Mas, não acaba por aí. Existe outro tipo de viagem no tempo que não permitiria paradoxos. Por exemplo, um viajante poderia voltar para o passado, mas ele não poderia alterá-lo ou criar qualquer tipo de paradoxo. Ou seja, ele nãonteria um controle muito fixo da viagem em si.

Essa ainda, continua não sendo uma alternativa muito viável. Como essas alterações poderiam ser evitadas. No momento que você fosse esmagar o seu avô com o seu robô gigante um campo de energia o circundaria o protegendo? – como isso seria evitado? – Para mim, continua não fazendo sentido.

Entre esses dois tipos que acabei de citar, existem muitas variações. Do primeiro tipo, apresentei apenas duas variações, e para o segundo apenas o dividi em uma categoria por não achar necessário
expandir os conceitos envolvidos.

Agora, existe uma análise interessante a se fazer. Existe uma explicação que não tentarei reproduzi-la, até porque não gosto de dar um control c + um control v de algo que eu acho na internet por aí, fingindo que eu sei explicar aquilo com perfeição. a explicação científica é algo que foge dos meus conhecimentos de física relativista, envolvendo curvatura do espaço tempo entre outras coisas que iria requerer mais estudo. Mas tomemos essa premissa como correta e analisemos o que ela
ajudará a propor.

Um dos tipos de viagem no tempo que é insinuado diz que não existem turistas do futuro avisando sobre a viagem no tempo porque eles apenas poderiam viajar no máximo até o tempo que a sua própria máquina do tempo foi criada. Embora não tenhamos capacidade de reproduzir algo assim, a
parte teórica existe; E daí para a prática pode ser um grande passo, mas um passo já foi dado.

Com essa proposta, é inevitável relacionarmos com o tipo de realidade do filme efeito borboleta. Não estamos tratando de uma máquina do tempo, mas sim de um ser humano; O fato é que ele na
realidade proposta pelo filme não pode retornar no tempo antes de seu nascimento, porque ele só retorna até certos breakpoints, que seriam memórias do personagem. Ou seja, mesma realidade proposta pelas viagens no tempo até certo ponto.

Nesse tipo de realidade, onde o viajante não pode extrapolar a data do seu nascimento, não podendo criar nada que destrua a sua possível existência, a criação de um paradoxo é complicada. A maioria dos paradoxos se baseiam na vida futura do viajante após algum ato que ele tenha cometido no passado que comprometa sua sobrevivência para cometer esse mesmo ato. Um paradoxo que a primeira vista que possa ser sugerido é o próprio viajante se suicidar no passado, mas isso não pode ser considerado um paradoxo. Se ele deslocar-se para o passado e matar-se, ele morre no passado, mas o seu “eu” do passado que existia naquela época não seria afetado, porque o acontecimento que destruirá com a sua existência só acontece com o “eu” do futuro.

Como entretenimento teórico, eu gosto de imaginar essas diversas possibilidades. Ainda continuo a procurar algum tipo de paradoxo nessa última alternativa que apresentei, algum tipo de falha. Mas
aparentemente, teoricamente, me parece viável. Notem, viável – não estou afirmando nada, hahaha.

E vocês, o que acham?

Skip to top

Comments

18 Responses to viagem no tempo – algumas considerações

  1. kz3r says:

    Acho que toda viajem no tempo causa um paradoxo na linha tempo/espaço, logo, voltar pro passado de que voce saiu é praticamente impossivel e as mudanças que você fizer vao mudar a linha tempo/espaço na qual você se encaixará novamente, mas as coisas que existiam quando vc deixou o presente continuarão lá, do mesmo jeito, mas, sem você.

    Ok, mas ainda tem outro pensamente interessante, a viajem recursiva no tempo. John Connor manda Kyle Reese pro passado pra pegar a sua mãe e ele nascer. Mas COMO RAIOS ele mandou o cara pela primeira vez, pq, se ele nao fosse mandado pro passado John nao existiria, entao como John envia ele pro passado, sendo que ele nasce depois do proprio John?

    E, sim, se vc vai pro passado e morre, isso nao altera o presente que vc deixou pra tras, vc só se fodeu mesmo… a nao ser q vc deixe armas laser, nano exoesqueltos e coisas do genero junto ao seu corpo, que acaba morrendo a 100 anos atras….

  2. Ian says:

    falei com você pelo msn =

  3. lucasradaelli says:

    “Ok, mas ainda tem outro pensamente interessante, a viajem recursiva no tempo. John Connor manda Kyle Reese pro passado pra pegar a sua mãe e ele nascer.
    Mas COMO RAIOS ele mandou o cara pela primeira vez, pq, se ele nao fosse mandado pro passado John nao existiria, entao como John envia ele pro passado,
    sendo que ele nasce depois do proprio John?

    ” – pra mim isso não é possível, é um paradoxo. O que você chamou de recursivo pode ser aplicado ao paradoxo do avô, o qual citei ali em cima. Não concorda?

  4. Set says:

    Agora imagine que a viagem no tempo realmente exista e que está ocorrendo o tempo todo, e que todos as causalidades propostas nesse tipo de empreendimento, como avôs mortos por robôs gigantes e tudo mais esteja ocorrendo. E daí que o cara não nasce? “Simplesmente” considere um espaço com infinitas dimensões temporais criados a cada instante que o problema se resolve. O cara foi pro passado? Numa dimensão ele sumiu para aquela época, já na dimensão temporal que ele matou o avô, nem existiu (na nova dimensão gerada no tempo “atual”, não a época do avô).

    • lucasradaelli says:

      é, existe essa idéia das mudanças de dimensões para explicar alguns fatos. mas não sei porque, eu nunca gostei dessa proposta. é como se perdesse toda a graça daí, então por isso que nem escrevi sobre ela, hahaha.

      • Set says:

        Ah, física adora forçar a barra enfiando dimensões extras para explicar ou unificar teorias. Já deve ter tido seu curso newbie de teoria de supercordas via wikipedia, ou então já em algum momento te expliquei sobre vetores de estado em espaços de dimensões infinitas na quântica. Se funciona, tá valendo :P

  5. Suzana says:

    Assisti um documentário há uns dias que falava sobre isso do ponto de vista da Física Moderna, daquela coisa de dobrar o tempo, e encarar ele como uma superfície e tal… Aí não lembro se o cara falou ou eu que imaginei ashduiashuida Mas a partir do momento em que você muda o “futuro” você cria mundos paralelos, tipo outra função no domínio do tempo, sabe?
    Tem um cara que tá pesquisando sério isso… Se eu lembrar do nome do documentário eu posto aqui, é bem interessante.
    Mas uma coisa que eu acho estranho nisso, é a mesma coisa que as vezes me impede de acreditar em teleporte. É a “alma” ou whatever… Pq a gente não sabe se existe, se é fisicamente palpável e tal, teríamos que traduzir tudo isso em termos de funcionamento de cérebro pra recriar ela, ou não… Aí já começa a entrar em outro domínio que a gente não domina. The point is, a gente teria que conhecer a fundo o cérebro humano e “espiritualidade” (se é que existe mesmo) pra mandar um ser humano bem-formado pro passado e não fazer cagada no cara.

  6. Fernando says:

    Faz um tempo q eu vinha pensando sobre viajem no tempo, e eu cheguei a uma teoria.

    A idéia em si é bem simples, e sem graça.
    Se, por exemplo alguém volta ao passado, ele não vai modificar o futuro, por que aquilo aconteceu antes de a pessoa viajar no tempo.
    Usando a idéia de tentar matar o próprio avô, quando o malfeitor tenta cometer o assassinato, uma série de acontecimentos o impede de cumprir a missão. Algo como sofrer um acidente de trânsito.
    Isso implicaria em algo como destino, que não poderia ser modificado. Ou seja ninguém teria “livre arbítrio” e já estaria “escrito” que eu estaria escrevendo isso.

    É um paradoxo, sim, mas para mim, é a teoria mais “viável”.

  7. Lucas, tá muito bom seu blog, não o conhecia ainda, mas curti mesmo, continue escrevendo e até o Korpiklaani, haha.

  8. Oscar says:

    O interessante de mudar alguma coisa no passado – pintar o seu avô de azul permanentemente, ou sei la – é que teoricamente isso alteraria a sua memória – e voce se esqueceria que azulou teu vovô. É, bizarro. Talvez a pessoa que cometeu o ato de violência com seu avô se lembre que fez isso, o que seria mais esquisito ainda – ja que as lembrançad do azulador do avô estariam inalteradas. Ou não. Confuso.

  9. Lauro says:

    Ontem eram 23:59, depois eram 23:00… mistério, mas não percebi nenhum efeito colateral grave…
    listo pequenas modificaçõs, sinto fome antes e depois da hora do almoço, mas não na hora do almoço, sinto dificuldade de dormir no antes da madrugada e dificuldade de acordar as 8h… coisas assim…

    se estou em outra dimensão, espero que seja uma em que o meu estágio comece a pagar e que o preço do combustivel tenha baixado…

  10. lucasradaelli says:

    “se estou em outra dimensão, espero que seja uma em que o meu estágio comece a pagar e que o preço do combustivel tenha baixado…” – falou tudo, que o estágio nos pague! hahahaha

  11. ANDRE says:

    BOM MINHA TEORIA DE VIAGEM NO TEMPO E QUE JÁ CONSIGUIMOS VIAJAR, E SO VOCÊS PRESTAREM MAS ATENÇÃO NISSO. Civilização Maia, Civilização Asteca, Civilização Inca Os misteriosos crânios de cristais. Nenhum aparato tecnológico conseguiu até agora revelar o que exatamente são os crânios encontrados em ruínas maias e astecas, no México, na América Central e América do Sul. Com o tamanho aproximado de um cérebro humano e imitando suas formas à perfeição (alguns têm até mesmo o maxilar móvel), eles foram esculpidos em quartzo e ametista.Sabe-se apenas que têm o poder de concentrar e transferir energia e – o mais espantoso – a capacidade de projetar imagens holográficas de golfinhos, naves espaciais e paisagens desconhecidas. O mais avançado laboratório de cristalografia do mundo – o da Hewlett Packard, em Santa Clara, na Califórnia, EUA – tentou reproduzi-los mas não conseguiu. Seus cientistas dizem que os crânios possuem um mecanismo interno de lentes e prismas que o homem só agora começa a dominar.Como explicar então que eles remontem a uma época de nenhum recurso cientifico? Como foram criadas as holografias vistas dentro deles? São perguntas que permanecem sem respostas, bem como é uma incógnita a idade deles. Não foi feito o teste de Carbono 14, pois este não dá certo com materiais inorgânicos.O pesquisador Joshua Shapiro, mais conhecido como “dr. Illinois”, estado norte-americano onde nasceu, que investiga o fenômeno desde 1983, acredita que os crânios tenham mais de 4 mil anos de idade e que são uma espécie de computadores primitivos, onde estariam armazenadas informações sobre a vida dos povos que os produziram.“Os crânios em questão funcionam como câmeras de vídeo e são capazes de armazenar grandes quantidades de dados em uma estrutura de átomos disposta de maneira altamente ordenada, semelhante a dos nossos computadores. Esse processo inclui a manutenção de formas-pensamento, energia e também impressões visuais”, supõe Shapiro.O químico norte-americano Don Robins, no livro A Linguagem Secreta das Pedras , endossa a teoria de Shapiro. Robins afirma que os cristais podem conter mensagens codificadas e que cabe a nós decifrá-las. Mas até que isso aconteça, as especulações continuam. Acredita-se, por exemplo, que os crânios foram invenção de uma cultura antiga mas de tecnologia muito avançada, que entendia as leis cósmicas e os interrelacionamentos planetários, que estão além de nosso atual alcance. O Crânio Maia – Peça única de quartzo puro não transparente. Possui entalhes circulares em volta das orelhas , e a parte posterior da cabeça é alongada. Seu nariz e seus dentes não estão nitidamente definidos. Neste crânio podem ser vistos sacrifícios e guerras, que possivelmente estão relacionadas com a História da Terra. O Crânio do Texas – Peça única de quartzo transparente. Pesa 8 quilos. Foi doada ao Parque de Houston, Texas, por um monge tibetano, que, por sua vez, o recebeu como presente dos habitantes de uma pequena vila na Guatemala. Desde 2002, Max tem sido usado em cerimônias religiosas dos índios norte-americanos. Ele revela imagens que parecem símbolos esotéricos: fontes e vitrais de catedrais. ESSA E SO UMA COISA Q PROVA QUE TEVE PESSOAS QUE VEIO DE OUTRA EPOCA OU SEJA NA QUELE TEMPO DOS MAIA, INCA E ASTECA TEM ATÉ IMAGEM FEITA DE PERDA COM PESSOAS COM ARMAS TIPO AQUELE Q VEMOS EM FILME COMO GUERRA NA ESTRELA PROCUREM A LER MAS SOBRE ISTO E TIREM A DUVIA

    • lucasradaelli says:

      Valeu pelo seu comentário cara, vou dar uma lida sobre isso que você disse e depois te dou uma resposta mais completa :)

  12. Carlo says:

    as viagens no tempo não são autorizadas a serem comuns normais, mas a seres especiais; possivel é; so que a ciÊncia generaliza logo tudo como fosse possivel metermos todo o mundo a viajar no tempo; isso; é impossivel;o paradoxo do avo; tam bem é irreal; primeiro uma pessoa que vive num corpo temporal; noutra vida será um outro corpo;uma pessoa que viajasse no tempo ao passado, teria um milhão de um milhão de hipoteses de acertar com a pessoa que alguma vez, tivesse deixado para trás;e não e nunca reconheceria; porque esses elementos foram alterados;é quase como vc tentar criar a sua arvore geneologica; que se perde no tempo com o tempo;portanto é irreale surreal;MAS COMO EU AFIRMEI

    AS VIAGENS NO TEMPO SÃO POSSIVEIS SO QUE QUEM VIAJA NO TEMPO TEM UMA METODOLOGIA ESPECIFICA;TEM UMA MISSÃO ESPECIFICA, LOGO É CONSIGNADO A SERES EVOLUITIVAMENTE AVANÇADOS;POSSO ATÉ AFIRMAR;
    ARCANJOS QUE SÃO ESCOLHIDOS ESPECIFICAMENTE PARA ESSA MISSÃO, PORTANTO NADA ALTERA OS ACONTECIMENTOS; PELO CONTRÁRIO ESSAS MISSÕES VEM DAR DINAMICA AO ACONTECIMENTO

  13. David says:

    Para mim é possivel viajar ao passado. Implica uma velociadade rápida constante. Digo viagem ao passado, mas criando uma realidade paralela que não influencia de forma alguma o presente. Ou seja, voltaria ao passado, mas a um passado que ja existiu e continua a existir paralelamente ao presente, ou seja, não existe ligação entre o passado e o prsente que estamos a viver, é paralelo. Ou seja se eu conseguir viajar ao passado e matar o meu avo, não é o mesmo avo que estaria a matar, mas um avo igual numa realidade paralela.

  14. David says:

    Se quiserem coomentar a minha mensagem escrevam para davidlagos22@hotmail.com

  15. David says:

    viajar ao futuro é impossivel. porquê? porque quanto mais velocidade voce andar, mais cedo voce chega aonde quer chegar, antes de qualquer que seja o acontecimento.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>